segunda-feira, abril 22, 2019

do desapego e da pessoa que já fui e não sou mais.


Não sei bem o que é que nos faz crescer, evoluir, mudar, ou o que lhe queiram chamar. Eu sinto que estou diferente, que mudei, que deixei de ser aquela miúda alegre e faladora. sinto que estou mais calma. Feliz na mesma e continuo a falar bastante mas estou mais tranquila, sinto que tenho mais tempo e que consigo fazer mais coisas. 
Não sei o que nos muda: se a idade ou se as circunstancias da vida. A idade é capaz de nos acalmar, acredito nisso mas as dores porque passamos transformam-nos em outras pessoas. Não ficamos melhores nem piores mas ficamos diferentes, disso não tenho duvida. 
Estou mais desapegada das coisas materiais, estou menos sentimental em relação aos outros, e acho que estou mais adulta. Ainda não pratico e não sigo a moda da gratidão mas estou no caminho. Acho que é um percurso interior que tenho que fazer e que estou a fazer, o de deixar as mágoas e o de perdoar. Não esquecer, não quero esquecer mas quero passar pelas dores antigas sem mágoa. Deixar para trás o que dói, palavras e actos e seguir mais leve. Gosto da ideia de seguir mais leve. Quero libertar-me das pequenas nuvens negras que ainda vejo e olhar só o imenso céu azul. Quero ser mais fácil para mim própria e deixar a mesquinhez das dores para trás. Não se trata de ser melhor pessoa, sempre fui boa pessoa mas levo sempre tudo muito a peito, e é isso que quero mudar. Quero deixar de dar importância ao que de facto não tem e quero cuidar mais de mim e dos meus, só isso. Quero a paz e a tranquilidade que tenho tido há umas semanas, sempre. Quero voltar a dormir todas as noites bem, o suficiente, e acordar descansada como esta noite. 
Acredito naquele ditado que diz que depois da tempestade vem a bonança, e estou a trabalhar para isso. Ajuda muito viver aqui, longe. Ajuda viver numa bolha de tranquilidade, de gente bonita e de pessoas aparentemente parecidas ou com vidas semelhantes. Ajuda viver num bairro bonito com pessoas bonitas, por fora. Ajuda ver flores todos os dias, lebres a cruzar a estrada e esquilos a subir ás árvores. Ajuda ter uma família bonita para cuidar e pessoas que gostam de mim, que vão gostar sempre, aconteça o que acontecer. Ajuda viver sem ser em sobressalto. Ajuda não ter ninguém a dizer nada, a respeitar o silencio. ( um dia destes entrei na igreja, estava vazia. olhei para tudo, fotografei uns santos de madeira, o padre disse-me bom dia e acendeu as luzes. quando viu que já estava de saída driscretamente apagou-as, não disse mais nada só bom dia à minha chegada e sorriu). Nem sempre apetece falar. Sinto que vou sair daqui revigorada. E quero só dizer que aqui sinto-me tão em casa como em, Lisboa. Que o mundo é pequeno e que, o que verdadeiramente importa está dentro de nós, as pessoas que somos. E os nossos.
Eu estou bem mas vou ficar ainda melhor. Um dia vou ser uma pessoa mais fácil para mim própria, uma pessoa mais doce e menos critica. Um dia vou ser mais fácil de me aturar e vou viver em paz (aquela paz que já vou sentindo aos bocadinhos). Esse dia não está longe, sinto que não. 

Aproxima-se o Dia da Mãe, e dói mas aguento as lágrimas nos olhos e já consigo que não caiam.

Beijinho a todas



Maggie

acabaram as férias da Páscoa, hoje já voltámos à realidade ...

do dia a dia. Das escolas e do trabalho. dos horários e das rotinas. Estamos no 4º e último período escolar. As aulas estão quase no fim, na prática faltam apenas 1 mês e 3 semanas para as férias grandes. Para elas a escola vai continuar no mês de Julho com aulas de inglês para os alunos estrangeiros das 3 escolas de Greenwich. Acho até que vai ser giro, vão conhecer alguns miúdos das outras duas escolas preparatórias. E nós só vamos vamos de férias em Agosto, elas têm que se ocupar nos tempos livres. Já se sabe que sou uma mãe quase regime militar e por isso não há o ficar na cama até ás tantas, é acordar cedo. Já disse que aqui ninguém fica na cama até ás tantas? Aqui o dia começa cedo e acaba cedo, adoro isso. Parece-me mais saudável.
Os últimos dias foram ótimos, passeámos e descansámos o suficiente. Soube muito bem.
Eu já perdi 3,500kgs, vou a meio, faltam-me perder mais 3,000kgs nas próximas semanas. 

(hoje voltei ao primeiro Starbucks que conheci aqui, já cá não vinha há meses, vim cá a primeira vez ainda em Julho quando viemos por uma semana conhecer a zona, e está a saber-me bem)


Bom dia (em especial para Lisboa, a minha terra natal)



Maggie

quinta-feira, abril 18, 2019

a Maria faz 12. Parabéns Mariazinha!


Está crescida a nossa Maria. Continua vaidosa e simpática. A que tem melhor feitio, a que protesta menos e a que é também mais medricas. Tem medo de cães, de aranhas e até de formigas. Devora videos de maquilhagem e é capaz de passar horas deitada sem fazer nada. É a que tem melhores notas sem o mínimo esforço, é a que se puder não fazer, não faz. Gosta de festas e de amigas. Também gosta de dias de sol e ontem já apanhou uma cor(zinha) na praia. Adora compras e andar a passear. Está louca para tirar o aparelho dos dentes porque já viu que estão a ficar muito alinhados e que vai ficar com um sorriso lindo. É magríssima e divertida. Defende todos os fracos e oprimidos e adora ser o centro das atenções. Bem, já gostou mais, está um bocadinho mais discreta ;) Adora fazer anos e hoje nem deve ter dormido bem com a excitação. Vou lá espreita-la e acorda-las. São quase 7:30, vamos aproveitar o dia. 

Parabéns Maria


Mãe

terça-feira, abril 16, 2019

segunda-feira, abril 15, 2019

custa a acreditar numa coisa destas!


Felizmente que ainda consegui levar as miúdas a Paris, a tempo de verem a Notre-Dame de pé :(
(pensamento egoísta do dia)

Hoje é um dia triste, são mais de 700 anos de história que se perdem.



Maggie