quinta-feira, janeiro 19, 2017

passo os olhos pelo Facebook …

e vejo a satisfação/empolgação de algumas pessoas minhas conhecidas com os resultados do futebol. Com os resultados e com as confusões e discussões deste mundo, dicas e tricas cada vez mais perto das coscuvilhices entre vizinhas de bairro. 
Eu sei que as mulheres podem gostar do mesmo que os homens, oh minhas amigas cada um gosta do que gosta, o que considero interessante é perderem tempo a mandar bocas foleiras sobre coisas que não nos aquecem nem arrefecem, mas pronto … eu também gostava de ser assim uma pessoa simplória que se empolga com assuntos futebolísticos, (era capaz de ser mais feliz), mas não gosto nem perco tempo com o tema. Há outros assuntos que me tiram o sono e que me fazem mandar as tais bocas foleiras, mas não são as discussões futebolísticas, lamento mas entusiasmo-me com outro tipo de coisas!
Quero lá bem saber de piadolas sobre o Jorge Jesus,…haja paciencia!
Só tenho uma duvida, o mulherio descobriu que afinal gosta de futebol ou é apenas uma maneira de estarem mais perto dos homens? será uma desculpa para irem aos estádios ver um jogo e não fazerem um jantarinho simpático lá em casa? ou será que não passeiam a mais lado nenhum e esta é sempre uma saída garantida? se fosse o europeu ou o mundial eu ainda colocava a hipótese de quererem ver uns tipos giros, eu também gosto, agora os joguinhos dos "campeonatos aqui deste Portugal"…

Já dizia o outro, Fado, Fátima e Futebol, realmente somos um povo fácil de ludibriar.



Maggie

quase lá, na adolescência!


"Viver com um adolescente é um dos maiores desafios para qualquer pai. É estimulante mas também pode ser assustador! Este é o guia ideal para si e para os seus filhos. E se lhe disser que o seu filho adolescente precisa mesmo de discordar, desafiar e arriscar? A instabilidade emocional, a mudança e o distanciamento são inevitáveis entre pais e filhos; é tempo de alterar regras, renegociar e flexibilizar, com boas doses de paciência por parte dos pais. Esta fase oferece-lhe uma oportunidade única para educar e ajudar o seu filho na construção e descoberta da própria personalidade. Através de abordagens integrativas e pragmáticas, Rita Castanheira Alves, psicóloga clínica na área infantil e juvenil, mostra aos leitores como é possível resolver e desmistificar os mais difíceis obstáculos que surgem ao longo de uma adolescência saudável e plena. Incluindo soluções concretas e exemplos reais, a autora reflete sobre o quão necessário é perceber e reinventar, de forma inteligente e equilibrada, a relação entre pais e filhos. Adolescência, os Anos da Mudança é um guia preventivo que foca problemas comuns ou menos frequentes e oportunidades fundamentais para TODOS os pais de adolescentes - essencial para aqueles que procuram compreender as várias etapas e necessidades do caminho para a maturidade. «Porque os adolescentes estão a caminhar rumo ao futuro, à construção dos adultos que serão.»


Bom dia


Maggie

terça-feira, janeiro 17, 2017

inspiração para manhãs sem stress

(pinterest)

Esta foto fica guardada no meu pinterest e agora aqui no blog também para me servir de inspiração para as manhãs stressantes cá de casa!

(é a minha mala, são as mochilas, os lanches da manhã, o almoço de uma, a natação da outra, o portátil para as aulas de tic de uma e a flauta para educação musical da outra, verificar se levam os casacos, tentam escapar aos casacos, falta sempre o meu telemovel, e no meio da confusão sair sem esquecer o Manel já não é mau …) 



Maggie

isto de ser magra aos 40, parte 2

Eu não gosto de me enganar nem de enganar os outros nisto da idade. Já a minha mãe me dizia que muitas vezes vinham pessoas atrás dela, passavam de lado e já á frente olhavam-lhe para a cara. Seria para tentar perceber se a parte de trás correspondia á parte da frente? e riamos imenso, mas ela tinha razão (cheguei a ver a cena). Por vezes vai alguém á nossa frente que é uma grande brasa mas depois reparamos que já é quase avó, parece haver uma decepção e entende-se. É estranho. Uma coisa é querermos melhorar os nossos pontos fracos e fazer pequenas melhorias para nos sentirmos bem na nossa pele, outra coisa é querermos ser quem não somos. Querer que a idade não se note é praticamente impossível e só causa frustração. É importante cuidarmos de nós, claro que sim, mas devemos ter cuidado para não cair em exageros. Eu tenho muito receio do ridículo.



Maggie