segunda-feira, maio 06, 2013

amores á moda antiga



Já contei aqui que conheci o meu marido lá para os lados das Avenidas Novas e que foi assim um amor que apareceu e cresceu mto rápido pelo menos da minha parte. Não foi fácil qdo me vi apaixonada, mas aquela paixão que nem dá para disfarçarmos a não ser que se olhe para o lado e se pense na vida em Jupiter, foi o pânico. Eu tinha namorado, bem na verdade nem era um namorado, era mais  um amigo colorido para ajudar a passar o tempo e para nos divertir-mos. A minha paixão tbém tinha alguém, e eu não sou propriamente uma mulher moderna, nem pensar em declarar-me, podia viver assim durante mto mais do que o ano e meio que vivi, embora começasse a dar nas vistas. Lembro-me que quando contei a novidade a alguns colegas a  surpresa nem foi grande, é evidente qdo gostamos mto de alguém não é? E qdo os outros gostam de nós ficam felizes, vi alguns amigos ficarem felizes por mim com este namoro.
Vou confessar que ia trabalhar bem mais animada, que levava mais tempo a escolher a roupa, que colocava mais perfume, que me penteava durante mais tempo, que só saía qdo sabia que ele teria que me ver passar, e que balançava mais o corpinho qdo passava por ele, hehehehehe.(ficamos por aqui que este blog ainda não é um blog pornográfico). Não vou mentir, eu era incapaz de lhe dizer o que sentia mas notava-se a milhas, eu passava mais vezes por ele do que as vezes que eram precisas. E foi tão bom, estes tempos de conquista foram uma delicia, ai as figuras que fazemos qdo somos "miúdas"... Passaram 18 anos, mas garanto que a paixão e aquele desejo do principio da história continuam, que o Amor é mto bom, mas sem paixão perde alguma piada. Como é que alguém vive ser isto, sem o tal friozinho na barriga, sem sentir o coração a palpitar com toda a força?


Maggie


7 comentários:

p* disse...

Dizem e posso comprovar pela minha experiência que a paixão assim de coração a palpitar e frio/borboletas na barriga passam passado um tempo. Comigo foi assim...com as minhas amigas também. Talvez exista uma minoria que mantenha uma vida esses "sintomas". Sortudas, muito sortudas! Há lá sensação melhor!!

Mary disse...

Eu depois de 14 anos ainda sinto a paixão, as borboletas na barriga e ainda suspiro como uma adolescente. Isso para mim é paixão+amor.
E também me questiono como é que há relações que conseguem estar "vivas" sem já se sentir isso... Então o que é que sentem quando se olham, se beijam? Nada, só que gostam da pessoa, se mais nenhuma sensação? Faz-me confusão! Mas que há relações que já não têm nada disso, há...

ana disse...

Isto dava pano para mangas, Margarida, mas...é demasiado íntimo. Podes crer que tens muita sorte por ter um amor assim ao teu lado.

Anónimo disse...

A Maggie no fundo ainda é uma adolescente...até ainda escreve com linguagem de sms no seu próprio blog...lol. Não leve a mal não é um comentário maldoso...

Maggie disse...

Olá querida anónima, não levo nada a mal só tenho pena que não tenha vindo deixar um bocadinho de si ao invés de reparar como escrevo. Fico feliz por passar uma imagem de adolescente, é tão bom acreditar no Amor, não acha?

mil beijinhos
Margarida

Bonitinha disse...

Maggie concordo plenamente! Nao entendo como depois de passados alguns anos as pessoas percam o encanto e se acomodem. Um exemplo, meus avós assinavam canais de sexo hahah! Eu e o marido ainda temos muito fogo para queimar, mas isto é mérito nosso, pois que nunca coloco ele para segundo plano. Vejo um pouco disto, tem mulheres que depois de ter filhos acham que é só isto que importa, assim como também há homens que depois de um tempo não fazem qualquer esforço para serem fofos e românticos. Viva o amor e a paixão!
Beijokas

Ana disse...

Parabéns porque você ainda ama o seu marido, quem deixa de sentir isso simplesmente deixa de amar, sei que há quem possa discordar mas é o que acho porque já vivi isso na pele.
Pode existir paixão sem amor mas o amor não existe sem paixão! Sabe uma caixinha de fósforos? A caixinha é o amor, o fósforo é a paixão e sem um e outro não há chama... ;)