sexta-feira, setembro 27, 2013

isto cada filho é uma surpresa, em resposta a Ana mas todas devem palpitar, claro!

Olá Ana gosto muito de saber os teus pontos de vista, ainda que nem sempre siga as tuas directrizes gosto de saber o que pensas, afinal vais mais á frente e isso para mim é fantástico. Percebo quando dizes que não devemos satisfazer tudo, e em certa medida concordo como a tua posição mas isto na educação nem tudo é certo. Aqui em casa a Micas adora compras, quer sempre comprar alguma coisa, é uma insatisfeita, já a Maria Clementina nunca pede nada, e quando pede e eu digo que não, ela respeita e não torna a pedir. Se calhar isto das crianças serem pedinchonas e consumistas não vai da educação, vai delas, não? 


Beijinhos

Maggie

1 comentário:

ana disse...

Claro que as crianças são diferentes e nem tudo (nem mesmo a maioria) é comandado pela educação. O que a educação faz (ou deve fazer, na minha opinião), é reforçar as características positivas e desincentivar as negativas. Por ex, se uma criança é tímida, os pais vão-se esforçar por a ajudar a sair do cantinho, se é excessivamente extrovertida, vão impedi-la de passar determinados limites.
Com a questão do consumismo, é igual. Se a criança se auto-regula, ótimo, a educação não tem de fazer grande coisa, é um descanso. Se, pelo contrário, está sempre a pedir mais e mais, os pais (e restante meio) tem de lhe mostrar que ter tudo o que quer não a ajuda a crescer nem a ser feliz. Um dia vai querer algo que os pais não podem comprar...e não falo de coisas materiais, mas também neste plano nunca sabemos o dia de amanhã e se vamos sempre poder manter o nível de vida a que habituámos os filhos.
Na minha opinião, uma criança "pedinchona" tem de aprender 2 coisas: 1. que não se pode ter tudo; 2. que é preciso esperar. Ajudá-la a estabelecer prioridades, a abdicar de umas coisas em favor de outras, a lutar por um objetivo, a adiar a realização dos desejos. Porque a vida é assim mesmo...