quinta-feira, novembro 28, 2013

o poder da amizade


As minhas filhas tal como as outras crianças e como é próprio da idade têm muitas amigas. Umas mais amigas do que outras mas para elas as amiguinhas ainda estão todas no mesmo saco, sejam amigas boas ou más. Vão acabar por perceber com o crescimento que nem todas são amigas, e que nem todas são boas amigas. Haverá as interesseiras, as chatas, as invejosas e toda uma classe de adjectivos. Eu ensino que há amigos e conhecidos, dou exemplos práticos de quem são os meus amigos e os conhecidos, mostro o que podemos confiar a um amigo e o que podemos contar a um conhecido. Não me parece que percebam ainda, ou se percebem não ligam nenhuma ao que lhes digo, se calhar para elas a mãe já está ultrapassada. A minha mais velha tem grandes amigas de quem gosta muito, amigas que conseguem ás vezes magoá-la e deixá-la triste, amigas de quem ela se afasta quando a coisa corre mal, são amigas que têm ideias tontas e que fazem coisas erradas, e eu lá vou ralhando com a minha. Lá vou explicando que devemos ser amigas de todas mas quando percebemos que há por ali alguma coisa errada afastamo-nos, não fazemos asneiras por irmos atrás da cabeça dos outros, cada um tem a sua cabeça e é com ela que deve pensar. Detesto quando vai atrás da conversa destas amigas, sai disparate na certa, são muito amigas mas fazem confusões lá entre elas que é uma coisa irreal. São amigas mas dão-se bem dois dias e passam três dias zangadas. Não gosto disto, estas amigas têm um efeito nela que não me agrada, vejo logo quando estão amigas e quando não estão. 
As amigas são dela e é a ela que cabe gerir as suas relações, mas eu como mãe lá a vou orientando e mostrando que ás vezes podemos ser muito amigas, outras vezes quando percebemos que vem aí disparate devemos afastar-nos e procurar outras amigas para brincar. A professora faz o mesmo trabalho que eu, conversa muito e tenta mostrar-lhe que a influencia destas amigas a prejudica, fica mais aérea, mais tonta, sai mais disparate, e a professora não gosta. Como a Micas gosta muito  da professora ouve com muita atenção e durante uns dias a coisa acalma mas depois acaba por voltar ao mesmo, são muitas queixinhas, muita risota tonta, muito gozo ... Não quero que ela deixe de ser amiga destas meninas mas vai ter que aprender até onde pode ser amiga, e qual o momento em que deve dizer pára! Tem que deixar de ser cabeça no ar e não ir atrás das ideias dos outros. 

Bom dia

Maggie

6 comentários:

ana disse...

...e de um tempo em que as meninas eram educadas para serem sombras dos maridos, fadas do lar sem estatuto próprio. Felizmente estamos longe desses tempos, embora muitas mulheres continuem a suspirar por estes modelos de subserviência...

ana disse...

Ups, enganei-me...o comentário anterior era para o post das meninas bem comportadas!

Rita_in_UK disse...

Pois foi mais ou menos por isso que a minha saltou de escola na semana passada... Acredita que num liceu aos 12 anos, quando a coisa dá para o torto... dá para o torto. A minha não fez nada de mal, mas antes que fizesse e porque vi que estava a fazer um esforço hercúleo para se integrar num grupo que não a "queria" por ser muito certinha, e onde sinceramente eu não queria sequer que se integrasse, acho que foi o melhor que fiz. Até agora estou a adorar tê-la de novo protegida :). Bjinhs

Rita_in_UK disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria João disse...

Hmm, tema complicado pois elas acham sempre que não temos razão nisso das amizades! Pelo menos comigo foi assim (falando mais na adolescencia). Nunca poderemos escolher os amigos dos nossos filhos. Mesmo o tentar orienta-los não me parece tarefa nada fácil e nem quero pensar quando tiver de o fazer. É dar-lhes armas e poder de discernimento

ana disse...

Protegida quer dizer num colégio privado, certo? Espero mesmo que resulte bem, porque já tenho visto coisas em colégios (supostamente de meninas bem), que enfim...
Maggie, quanto às amigas, nessas idades dos 7-9 anos nada a fazer, infelizmente as meninas são mesmo assim. A minha B., no 3º ano, também passou por uma fase horrível com umas colegas de turma, que deu direito a agressões (nada de grave) no intervalo e tudo, mas felizmente tudo se resolveu por si. Agora no 2º ciclo continuam as intriguinhas e as queixinhas, mas mais atenuadas.