terça-feira, dezembro 10, 2013

"um dia de cada vez" repórter TVI

O Amor também é isto, este acompanhar no fim, a dor e a solidão. Um doente com demência esquece, vai esquecendo cada vez mais mas a outra pessoa fica sozinha e perdida. Sobram as saudades de alguém que se perdeu mas que continua viva, continua a andar por ali como poderia andar num outro lado qualquer. Esta reportagem  que toca uma realidade presente mas que poucos têm interesse em conhecer, passou na TVI ontem á noite, não é um tema fácil mas ignorar não é solução.
Qualquer um de nós pode vir a sofrer de Alzheimer.


Boa tarde

Maggie

2 comentários:

Patrícia Teodoro disse...

Trabalho com isso diariamente e posso dizer mesmo que é a mior tristeza ver um pai ou uma mãe assim! beijo nosso

Rita_in_UK disse...

Eu posso. E sofro horrores a imaginar o dia em que os meus olhos o dizem mas a minha boca já não conseguirá pronunciar os nomes dos que mais amo. Deve ser por ter passado por isso com o meu Pai. Marcou-me muito, e por isso lhes digo todos os dias e por várias vezes (demasiadas para eles :)) que os amo daqui até ao céu e volta. Porque um dia, poderei já não conseguir dizê-lo e isso "mata-me" um bocadinho :(. Bjinhs