quinta-feira, fevereiro 06, 2014

os castigos hoje são uma brincadeira de crianças


Só assim para eu tomar conhecimento e perceber como se castigam os meninos de 1º ciclo que se portam mal nas aulas, importam-se de partilhar comigo o que a professora ou auxiliar responsável dão aos meninos hoje como castigos? só assim para eu me situar, só assim para eu perceber se as técnicas de castigos estão uniformizadas?
Alguém tem alguma coisa contra os castigos que se davam antigamente? atenção que não falo de reguadas, chapadas, puxões de orelhas, nem das famosas orelhas de burro,… falo apenas e só de os colocar de pé, ao lado do quadro e virados para a parede! é que isto de os mandar limpar talheres no refeitório, os mandar para uma sala de bebés, ou os mandar para a rua não está a resultar, a meu ver, não sei … Qual a vossa opinião?

Bons dias


Maggie

16 comentários:

ana disse...

Não vejo qual o interesse educativo de os mandar olhar para a parede, sinceramente. E nenhum castigo resulta se não se perceber qual a causa do mau comportamento...
No 1º ciclo, na turma das minhas filhas, os castigos consistiam em privá-los do recreio, mandá-los para outra sala ou terem tpc extra. Mas nunca houve grandes problemas, que eu me tenha apercebido. Agora no 2º ciclo já houve quem fosse expulso da sala, mas nesse caso têm de ir para uma sala de estudo ou para a biblioteca, com tarefas para fazer. E em ambos os casos os pais são chamados à escola, claro.

vera disse...

Tudo o que for humilhar as crianças é antipedagógico e contraproducente.
São castigados por não darem atenção nas aulas??? Então há que motivá-los e nunca castigá-los.

Maria João disse...

Cá em causa temos um naughty step, que é exactamente isso, sentam-se no degrau a pensar no que fizeram. Tb uso a técnica de pôr virada para a parede a mnha filha mais velha. Sinceramente não funcionam lá mt bem. Funciona melhor não a deixar ter aquilo que mais gosta (um brinquedo, ou assim). Na escola dela (tem quase 5 anos) usam o método das grey clouds. Ou seja, os nomes dos meninos estão tds no sol qd entram na sala, se algum se porta mal vai para as grey clouds e se se continuar a portar mal, fica lá e perde o momento de história no final da aula. Se se portar bem, pedir desculpa e provar que merece, volta para o sol. Não sei se funciona ou não, pois não tou lá para ver. Mas castigos têm de ser aplicados, senão seria uma balbúrdia. Acho é que têm de ser como que renovados frequentemente, pois habituam-se
Bjinho

Maggie disse...

Não se trata de castigá-los por não terem atenção nas aulas, claro. trata-se de crianças mal comportadas e mal educadas mesmo que prejudicam a aprendizagem dos outros. Percebo que tenham que ser castigados mas os castigos em vigor não estão a funcionar, a meu ver claro.

Maggie

vera disse...

É preciso compreender o porquê do "mau comportamento" e faz parte da profissão do professor "trabalhar" os alunos que não se "portam mal".
Castigar só porque sim, sem tentar entender, sem tentar ajudar a mudança de comportamento, não leva a lado nenhum, na minha visão das coisas. Nenhuma criança é mal educada só porque sim. Tem que ter um historial e convém que a comunidade escolar em vez de excluir, ajude à mudança.
Outra coisa que não entende é trazerem TPCs como castigo... desde quando é que aprender é um castigo? Que raio de mensagem mais contraditória!

vera disse...

Ai, Os professores devem "trabalhar" com os alunos que se "portam mal" e não o contrário :)
Tanta pressa para escrever e sai-me tudo ao lado!

Maria João disse...

Mas atenção, crianças que se "portam mal" a toda a hora é uma coisa. Uma criança que de vez em quando não cumpre as regras da escola é outra. A professora não tem de consultar um psicólogo pq um dos alunos não respeitou uma regra ou porque uma das crianças empurrou outra. Não vamos ser extremistas. Falamos em castigar as crianças, qd não cumprem as regras, como não correr, não estragar o material, não falar a toda a hora nas aulas, não perturbar, ect...Esse tipo de coisas. Ninguém está a falar de crianças que atiram cadeiras pelas janelas. Na escola da minha filha existem castigos, no entanto, nunca são aplicados sem antes a professora chamar o aluno à atençaõ. recebm um aviso de que estão a fazer algo que não deviam. Se após o aviso o comportamento se repete, então há castigo.
Agr mandar tpc´s a mais para casa como castigo??? Nunca vi castigo tão anti pedagógico como este!

ana disse...

Eu tb não concordo com mandar tpc a mais, mas compreendo que as prof os peçam - geralmente são os trabalhos que ficaram por fazer na aula.
Quanto a faltas de educação, a meu ver os pais têm que ser chamados à responsabilidade, sobretudo em colégios de classe média-alta e alta, como é o caso das filhas da Maggie. Se calhar em casa os meninos fazem o que bem lhes apetece...ou então são reprimidos até mais não. Na antiga escola das minhas filhas, com muitas crianças ciganas, já se sabia que em casa não havia regras, mas as professoras e a diretora, com uma paciência de santas, lá os iam controlando.

Flor Guerreira disse...

Sinceramente, muitas vezes, quem devia ser castigado eram os pais, porque não educam em casa. A escola é para ensinar. Quando me fazem queixa de algum comportamento menos próprio da Guerreira siou eu que a ponho de castigo: não há consolas nem computador para ninguém. E o castigo vai-se agravando consoante o mau comportamento for. Não me parece má ideia a ideia de mais trabalhos de casa.

Anónimo disse...

Na escola dos meus filhos funcionava o reforço positivo. Os alunos que tinham trabalhado e comportado bem recebiam um autocolante mini com bonecos, que a professora colava no caderno (isto no 1º ano). Como sabemos as crianças adoram tudo o que seja bonecos e ter o caderno com muitos autocolantes era o máximo! Filomena Madeira

vera disse...

Eu também acredito no reforço positivo.
Acho que os pais devem educar e ensinar, e a escola deve ensinar e educar. Não nos podemos esquecer que há crianças com graves problemas sociais, com ausência de família e aí deve ser a escola a educar a criança.
A mim não me passa pela cabeça ser chamada à escola por algum mau comportamento por parte da minha filha. Sempre foi educada a respeitar o próximo. Mas se tal acontecesse não a castigaria, conversaria muito a sério com ela, para ela entender o mal que fez, mas a professora também não a castiga se ela não comer arrumar o quarto, pois não? Acho que é preciso muito cuidado com os castigos... a maior parte deles são aplicados de forma errada e furtem nenhum efeito, a não ser incompreensão, raiva, humilhação e tristeza.

Maggie disse...

Eu num mundo ideal também acho que não haveria castigos e as crianças eram todas bem educadas. Acontece que na vida real nas escolas há crianças que são castigadas porque se portaram mal, seme parece mal? não. A questão é: qual o castigo mais eficaz, qual o castigo que os faz acalmar? qual o melhor castigo?

Obrigada pelos comentários com as vossas ideias

Maggie

vera disse...

Aí é que está, Maggie. Muito mais importante que o castigo, é a compreensão da atitude da criança. Compreender para depois poder agir.
Na escola da minha filha quem não faz os trabalhos a tempo, não vai ao recreio e fica a acabá-los. Se respeito, pois claro, se concordo, não, nada! Não acho que resulte: as crianças já passam demasiado tempo na sala de aula. Provavelmente, vão continuar a destabilizar porque não gastaram a energia no recreio... Eu prefiro tentar perceber porque é que não fez os trabalhos dentro do tempo pedido e motivá-la a que o faça na próxima vez.

Maggie disse...

Na escola das minhas filhas funciona como na escola da tua filha, acontece que há crianças complicadas que espero e acredito que sejam seguidas pela psicóloga da escola mas á parte disso as aulas precisam de continuar e se as crianças perturbam as aulas parece-me normal que tentem controla-las com castigos. Afinal a psicologia não resolve tudo em 5 minutos e as aulas precisam de continuar.


Maggie

Maria João disse...

Na escola da minha filha tb há o reforço positivo. Isso não implica que as crianças sejam sempre certinhas e direitinhas e não mereçam um castigo de vez em qd.

Anónimo disse...

No caso do meu filho, que é um pequeno reguila, foi muito importantes nós e a professora estar sempre em contacto uns com os outros devido ao comportamento menos bom dele.
E qual era o problema dele, porque temos de ir a fundo da questão, o que se passa?
Passa-se que após vários testes feitos pela psicóloga, que foi detectado défice de atenção e meu filho ficava desorientado nas aulas, porque não aprendia o que a professora falava porque nem a ouvia, e comportava-se tipo macaquinho na sala para chamar atenção, porque no feitio dele ficar para trás (nos estudos) é muito complicado, existe crianças que nem querem saber, que não é o caso dele.
Ele é mal-educado? Connosco não e ele sabe que nem o permitimos. Mas a professora com 24 crianças e algumas delas como o meu filho, não é fácil.
Após muitos castigos, sim muitos castigos, muita conversa, umas palmadas quando era preciso e muito apoio nosso diariamente porque ele não aprendia na escola tínhamos de ser nós os professores, fomos indo ao lugar, mas não chegava, era insuficiente, e após resistência da nossa parte (estamos a dar à 2 anos ómegas 3 e 6 por indicação do pediatra), tivemos de entrar na medicação convencional (só em dia de aulas).
E posso dizer uma coisa, desde antes do Natal que andamos em paz em relação à escola, porque resto é um menino reguila, mas sem grandes problemas.
Mas se nós e a professora não tivessemos diáriamente em sintonia ainda não tinhamos chegado onde queriamos, os bons e interessados professores são muito importantes.