quarta-feira, abril 16, 2014

na fnac, a comprar !


Relendo os textos que escrevi para o jornal Destak demorei-me mais sobre aqueles que falam dos encontros e desencontros entre pais e filhos, das famílias que se digladiam nos tribunais, das crianças perdidas ou esquecidas em instituições, da importância da saúde mental e da educação, dos preconceitos e mitos que nos impedem de ser mais felizes. Realizei que independentemente do estado da economia ou da sociedade as nossas crianças precisam de pais mais assertivos, mais capazes de os ensinar a fazer escolhas, a reconhecer e a enfrentar, e por vezes até a aceitar, os contratempos que a vida lhes trará, para crescerem com autoconfiança e coragem. Realizei também que esse caminho é difícil, e que sim, às vezes as mães (e os pais) têm mesmo de ser chatos.Espero que alguns destes textos sirvam de ponto de repouso nessa viagem árdua, mas compensadora.Desejo muito que outros sejam suficientemente provocadores para que os leitores tenham vontade de desbravar novos caminhos e, sobretudo, lembrar a todos que não caminhamos sós.



«É tão certo como dois e dois serem quatro, como a noite vir a seguir ao dia, como o Natal ser a 25 de dezembro. Mãe que é mãe sente culpa. Culpa do que fez e do que não fez e podia ter feito. Culpa com fundamento e sem fundamento. Culpa por ter gritado, por ter chegado demasiado tarde a casa, culpa por aquela palmada, culpa por não ter lido a história para o filho adormecer, culpa porque perdeu as estribeiras quando ajudava os miúdos com os trabalhos de casa, culpa porque discutiu com o marido à frente das crianças, culpa por aquela perna partida do mais novo que aconteceu quando nem sequer estava presente (mas devia ter estado presente, claro, se estivesse presente a perna estava inteirinha, logo a culpa é só sua!) Revê-se nisto? Já o sentiu? Fez um certo em todas as situações referidas ou em quase todas? Então este livro é para si. Culpa, culpa, culpa. Porque é que somos tão duras connosco? Porque é que achamos que tudo é da nossa responsabilidade? Para quê insistir em sermos perfeitas quando a perfeição não existe?»Com base em relatos de diversas mães, recorrendo à análise de psicólogos, pediatras, e com a experiência de 12 culposos anos de maternidade, a jornalista Sónia Morais Santos, mãe de três crianças, traz-nos "A Culpa não é sempre da Mãe"! Um livro bem-humorado da autora do blogue «Cocó na Fralda», onde as leitoras se vão comover com algumas histórias, identificar-se com outras tantas situações, gozar consigo próprias, pensar sobre a maternidade e rir-se à gargalhada com situações por que todas nós já passámos. Porque a maternidade não é uma competição. Porque as mães não são super-heroínas, apenas mães e como todas nós sabemos... Não há mães perfeitas!




Nunca te distraias da vida é um livro biográfico, mas não é uma biografia. É um livro que nos fala do cancro e do que é viver todos os dias com a doença, tentando manter a disciplina, a alegria e uma agenda profissional milimetricamente preenchida, como Manuel Forjaz sempre teve. Sem que pretenda ser um manual de comportamento ou, sequer, um livro de auto-ajuda, trata-se de um testemunho e de uma ferramenta muito útil para todas as pessoas que estão a viver um problema semelhante ou que têm um familiar ou um amigo doente. É sobretudo um livro despretensioso, escrito por um homem que luta pela vida desde há vários anos, sem nunca baixar os braços e com uma enorme fé em Deus e na ciência; um homem que tem procurado todas as soluções possíveis para a situação difícil em que se encontra e que integra no seu plano de tratamentos a medicina tradicional e as medicinas alternativas com o mesmo rigor; um homem que vive com a certeza de que, mais tarde ou mais cedo, o cancro poderá matá-lo, mas não conseguirá nunca impedi-lo de viver a vida enquanto existir vida para viver.



Maggie

Sem comentários: