sexta-feira, junho 27, 2014

este rancor que temos aos outros ...


faz mal á saúde em geral, e não é bom para a tensão arterial.
Ontem no meio de tanta mensagem recebi uma resposta de uma anónima furiosa comigo, colocou a definição que vem no dicionário para desempregada, chamou-me burra e obrigava-me a aceitar-me como desempregada, ahhh e ainda me disse que eu não devia ter vergonha de ser desempregada. A mensagem destilava veneno, raiva e um rancor de dar medo. E eu fiquei a pensar, ou esta moça está desempregada á bastante tempo e por isso já está desesperada e dispara em todas as direcções ou então não percebo porque razão segue vidas alheias, será só para despejar as suas frustrações á mínima coisa que encontre e discorde?
Vou voltar a explicar em especial para ela. Socialmente quem está desempregado é entendido como alguém que procura emprego, que espera respostas, uma oportunidade, não sendo essa a situação não se diz que a pessoa é desempregada, diz-se que não trabalha. Também não sou burra mas sou boa pessoa já que depois do veneno que veio aqui destilar e que eu por respeito aos outros leitores não publiquei, ainda me dou ao trabalho de lhe dar uma palavrinha sem lhe chamar nomes. A isto chama-se ter respeito e educação para com os outros. Podemos pensar diferente e ainda bem, mas podemos manter a educação e o nível. Acredito que para si ontem tenha sido um dia mau, também tenho os meus mas tenho a noção de quando me excedo e peço desculpas, longe de mim ofender alguém. 
Desejo-lhe tudo de bom na vida, quem sabe um dia destes não volto ao activo e ainda teremos que trabalhar juntas? 

Bjos

Maggie

2 comentários:

marta disse...

Maggie,
Do que me apercebi pelas leituras do blog, anteriormente tinha um emprego que não a realizava. Se tem possibilidade de (re)começar e dedicar-se ao que mais gosta....é um grande privilégio. A sociedade atualmente é que está muito amargurada e parece que tem mais empatia com o que corre mal do que com vidas que ainda têm hipótese de escolha.
Vou confessar que também eu acordo todas as manhãs com a sensação de "obrigação" por ter um emprego que não me realiza. Mas é o que neste momento se proporciona e não posso abdicar dele.
Quando leiio o seu blog....sinto a tal empatia com a sua forma de pensar e estar.
Em agosto, enquanto molhamos os joelhos e supervisionamos as "m's", espero poder trocar algumas ideias consigo sobre este tema! até lá....um grande beijinho e....junto-me a si no "tudo de bom também para quem continua a criticar por criticar"!
Marta

Maggie F. disse...

Em Agosto lá estaremos á beira das piscinas e á conversa. Já falta pouco.

Um beijinho grande para a Marta e para as meninas

Margarida