terça-feira, novembro 18, 2014

somos mais solidários com quem não conhecemos!


é isto, ou a divulgação das histórias pela internet é um fenómeno que funciona como uma feira de vaidades, onde todos são maravilhosos, generosos, compreensivos, ….
A confusão que faz ver milhares de pessoas unidas a depositar € em contas bancárias de quem não conhecem,  e depois nem ajudam as velhotas do prédio a levar os sacos de compras? Que raio de solidariedade é esta onde as palavras amigas são escritas aos milhares sob forma de mensagens , onde todos sentem muito, onde todos desejam o melhor e depois onde está a educação e a mesma preocupação com as pessoas da sua própria vida real? muitas nem um boa dia dizem, nem obrigada, quanto mais uma palavra amiga em dias difíceis?!  … 
Isto de ser solidário pela internet é mais cómodo, sem duvida ! E para ser sincera não sei se gosto destas ondas solidárias que circulam pelo facebook, quando na vida real ninguém trata os outros da mesma maneira.
Soa a falsidade e a facilidade, dá ideia que o que importa é ficar bem visto, não sei...


Maggie

8 comentários:

p* disse...

Não podia concordar mais! É incrível como na net é tudo bonzinho, simpático e muito "amigo" caso as pessoas precisem. Porque também se sabem esconder atrás do anonimato para escrever disparates que não interessam a ninguém! Há correntes solidárias mesmo que não se saiba a veracidade da história! (Sou como tu, desconfiada e acredito em muito poucas histórias aqui na net) Na vida real, sou otáriazita, acredito em quase tudo! ;) Não sou sempre simpática no dia a dia, já na net controlo-me um bocado, sendo que o escrito é mais pensado. Mas tento ser generosa e simpática com quem merece.
Também não sou solidária com falsidades e hipocrisias! :)

ana disse...

Concordo com quase tudo, mas algumas ondas solidárias realmente ajudaram (e ajudam) a resolver problemas bem concretos, que não seria possível resolver apenas com os conhecidos do bairro. Mas quem ajuda...que o faça no silêncio, não simpatizo é com murais a rosa ou negro ou o que se seja, porque quem está solidário, basta que o esteja no coração (e na carteira, que infelizmente nos dias que correm a saúde, por ex., paga-se e bem).

43 e picos disse...

Quantas vezes já liguei para contactos que vêm associados a e-mails de crianças desaparecidas, a necessitar de sangue, etc, e é tudo falso, não passam de brincadeiras de mau gosto para com as pessoas visadas.

Alex disse...

Na net as pessoas estão resguardadas e mostram o que querem. Concordo inteiramente com o teu ponto de vista! Beijinhos

Rita_in_UK disse...

Já contribuí para algumas causas que me mereceram a atenção, até com animais da associação onde adotei a minha cadela. Este último caso do Dubai, sei que a minha opinião pode ser controversa, mas a partir do momento em que vi um dos pais a literalmente reivindicar dinheiro ao estado português para pagar o internamento da filha, tive um clique. Então eu pago os meus impostos, e em vez de matar a fome e tratar da saúde aos que cá estão, iam pagar com o dinheirão que me descontan todos os meses as despesas de hospital de quem foi para onde não tem de os pagar? E os que cá ficaram? Não temos listas de espera nos hospitais? Não temos crianças que vão em jejum para a escola? Ainda pior fiquei quando depois da menina ter falecido continuavam a pedir dinheiro, desta feita para o enterro e transladação. Tenham paciência! não é preciso saber muita matemática para saber que se arrecadaram 100.000 e a pequenina gastava 3.000 de diária no hospital (cheguei a ouvir 1.000) e viveu escassos 18 dias ainda sobraram uns cobres valentes para lhe fazerem um funeral condigno... Respeito (sempre) a dor de uns pais que perdem uma filha, porque já vivi de perto perdas de filhos (a minha irmã de 2 anos e prima com 12) e sei as marcas que isso deixa, mas não subestimem a minha inteligência...
Bjinhs,
Rita

Diana Santos disse...

Concordo plenamente!
Assino por baixo!

Portuguese Girl with American Dreams
http://fromportugaltonyc.blogspot.pt/

Nany disse...

Na net eu sou pouco ou mesmo nada solidária.
Ajudo quem conheço e que sei que precisa. Ponto.
Eu entendo quem pede ajuda pública, sei que por vezes é preciso perder a vergonha e expor a vida a quem quiser ouvir, mas sendo solidária, simpatizando e admirando quem ajuda, sou mais de estender a mão a quem esa ao lado.
Se isso me faz egoista, talvez, mas que querem, não sou muito de pedidos disto e daquilo que mais tarde são falsos. Fico sempre de pé atrás.
Bjs

mmm´s disse...

Subscrevo na íntegra as suas palavras. Talvez por ser um meio de comunicação que mobiliza multidões, a internet tem um efeito nas pessoas difícil de entender.