sexta-feira, janeiro 09, 2015

adoro estar em casa, não ter que aturar chefes mal educados …

(nem colegas sacanas, nem patrões que ainda vivem no tempo das colónias portuguesas em África, sim quem trabalha para no privado apanha de tudo) 

Li num blog que sigo com muito carinho uma amiga a "queixar-se" que se fartou de estar em casa durante a licença de maternidade e estava cheia de vontade de regressar ao trabalho. Pois comigo isso nunca aconteceu, primeiro porque nunca trabalhei numa área que me encantasse e depois porque ao contrário de muitas mães que conheço eu pouco parava em casa. Depois das 3 semanas era sempre a andar com as bebés. Nunca fiquei em casa dia nenhum, nem de pijama nem de fato de treino como vejo, sempre acordei e me deitei ás horas normais como se fosse trabalhar, sempre me arranjei, arranjava a bebé e lá íamos nós. Ou almoçar fora, ou tomar um café depois do almoço, ou dar uma voltinha á praia, ou trocar algum presente no centro comercial, … Nunca fui aquela mãe que se farta, se tiver um livro ou uma revista nunca me farto, vivo bem comigo, com a minha companhia. Também adoro a minha casa, isso é capaz de ajudar. Havia sempre uma depilação para fazer, ou os cães lá fora para tratar, (quando a mais velha nasceu eu tinha cães com 1 mês e meio). Havia sempre papelada a tratar já que trocámos de casa nessa altura. E a delicia que é ir arranjar os pés sem pressa? Tal como hoje há tanta coisa que podemos fazer quando estamos em casa que não há como fartar. Atenção que estar em casa não quer dizer que não se saia, eu tenho horários normalissimos e ando arranjada, não ando desmazelada só porque não vou trabalhar. Estar em casa pode servir para fazermos aquelas coisas que vamos adiando e eu tenho recuperado algumas, para fazer a vida correr mais devagar e podermos saborear e aproveitar todos os bocadinhos!
Nem na licença de maternidade nem agora, não estou a ver maneira de me fartar.



Maggie

6 comentários:

Anónimo disse...

Eu preciso de trabalhar e adoro a minha profissão, o que é realmente uma sorte. Mas preferia uma "má" profissão toda descabelada que estar em casa arranjada, a ler revistas e a tratar de cães.
Acho que é a forma que fomos educados que pesa nas nossas decisões.
Nada está errado desde que nos faça felizes.

Maggie F. disse...

Aí é que está, a ideia que se faz das coisas, muitas vezes ideias erradas. Eu não estou só sentada em casa a ler revistas e a tratar de cães, ahahahahaha! E acho que tem razão quando diz que tudo depende de como fomos educados: eu fui educada por um pai e uma mãe que saiam para trabalhar ás 7h e tal e só chegavam já depois das 19h, era um sufoco. Nunca quis isso para as minhas filhas, assim que tive oportunidade de ter mais tempo com elas não pensei duas vezes. Talvez um dia volte a trabalhar fora mas por enquanto estou muito bem assim.
Felicidades

Maggie

Mãe Sabichona disse...

O ideal para mim é o que faço, trabalhar, mas sem ser a tempo inteiro e poder passar mais tempo com o meu filho. Ainda assim, se pudesse ficar em casa a tempo inteiro mais tempo, não me importava. Assim como não serei daquelas que se fartará na reforma, tenho muitos muitos interesses!

Leonor disse...

Apesar de ainda não trabalhar, acho que não conseguia ser mãe a tempo inteiro (acho que já disse o mesmo aqui no blog num outro comentário) mas não critico quem o é. Ninguém me diz que, daqui a 10 anos, não mude de ideias.

Alex disse...

Eu adoro estar em casa e adorei quando estive licença de maternidade. foi o período mais longo de estar em casa. Nunca estive desempregada, pelo que agora, estar em casa muitas vezes é sinal de que estou doente ou o meu filho. Mas ao fim de semana desforro-me!

Maria João disse...

E eu que trabalho 2 dias por semana?? Perfeito!! Tenho tempo para tudo: ginásio, compras, cafézinho com amigas, acompanhar devidamente os meus fikhos, fazer uns docinhos, tratar da casa, tratar de mim, do meu marido...Só não trato dos cães pq não os tenho, mas vou arranjar um :)