quinta-feira, setembro 10, 2015

ainda dos dias difíceis …

Devo ter sido a única pessoa por esta blogosfera fora que não se impressionou com a foto da criança síria que deu á costa morta. Olhei para a foto vezes sem conta sim, olhei, olhei outra vez, ampliei e não me tocou, nem me chocou. É assim quando estamos dormentes e em choque por outras dores. Ficava-me bem dizer que me impressionou, que não consegui olhar mais do que 5 segundos mas não é verdade.
Vou tomar o meu café aqui perto de casa porque preciso de respirar mas não vou ao mesmo café  onde ia com a minha mãe. Não que isso me faça impressão mas porque não quero ver ninguém, não quero que me façam perguntas, não me apetece falar, nem disto que se passou nem de nada. Noto que ando na rua sempre de óculos escuros, não porque vá a chorar mas porque não quero encarar os outros. Também levo o pescoço tão curvado que praticamente só vejo o passeio. Não vou á escola, (nem para pagar), ontem mandei lá a minha irmã, a ela não vão perguntar nada. Custa-me muito estar sozinha mas prefiro ficar aqui em casa fechada e sossegada. 

Um beijinho


Maggie

3 comentários:

Annabelle disse...

Não há palavras que possam fazer diminuir a tua dor. Espero apenas que sintas no teu coração a presença da tua mãe, e que isso te dê a força necessária para continuar a viver sem ela aqui na terra.
Um abraço muito apertado.

Mãe Sabichona disse...

:(

ana disse...

Vai doer para sempre mas o tempo ajuda, sim. E a presença maravilhosa do teu marido, dos três filhos, do teu pai é o mais valioso para continuar. As pessoas têm muito medo do luto e da dor, se não estivesses grávida já te estariam a aconselhar a tomar qualquer coisinha, mas estes processos são necessários, senão um dia abre-se o armário e cai-nos tudo em cima. Chora, sente-te triste, fecha-te no teu mundo enquanto tiver de ser. Lentamente, a vida vai-se recompondo. Um abraço grande.