sexta-feira, setembro 11, 2015

o drama do filho preferido

Não se trata de gostar ou de amar mais ou menos, obviamente gosto das minhas duas pequenas na mesma quantidade mas que tenho uma preferida lá isso tenho. E a preferencia tanto pode ser por uma ser mais fantástica nisto ou naquilo, ou pela outra ser mais ou menos parecida comigo ou com o pai. Por uma ter mais jeito para andar de bicicleta ou até pela outra outra ler melhor e ter mais jeito para desenhar. A preferencia não é necessariamente por uma ser melhor, mais inteligente, mais delicada ou mais sossegada, uma mãe pode ter até preferencia pelo oposto precisamente. Uma mãe pode até preferir um filho para "o proteger dos males do mundo" porque o acha mais frágil ou pode preferir outro por ser mais afoito e isso deixa-la encantada, … Quem faz as regras deste jogo do filho preferido é cada pai e cada mãe, para si sem partilhar com o outro. 
A minha mãe tinha uma filha preferida, e eu também tenho mas não vou dizer qual é, ahahahahahaha. E o Manuel ainda vai chegar para baralhar isto tudo …

Até mais logo


Maggie

3 comentários:

Timtim Tim disse...

Eu acho isso absolutamente natural. Mais do que filhos preferidos, acho que temos aqueles com quem encaixamos melhor. E, nem sempre, com quem encaixamos melhor é o melhor comportado. Ahahahah!!!

Paula disse...

Eu acho que é natural. Os nossos filhos não são iguais e por isso identificamo-nos mais com uns do que com outros. Eu também tenho um preferido mas não digo qual é. Eu acho que todas as mães têm um preferido mas não querem admitir. ;)

Anónimo disse...

Todas têm, eu tenho 4 e a minha preferida é a mais velha. É a minha alma gemea e é muito frágil.