terça-feira, novembro 17, 2015

ás vezes "castram-se" as crianças a troco de quase nada

ou só porque fica mais fácil molda-los e educa-los, sim deve ser isto. 
Ontem quando cheguei á escola vi a minha a brincar com uma amiga de anos, amiga de quem ela foi separada antes da entrada na primária, com a desculpa de que as duas juntas só faziam disparates. Como disparates entenda-se brincadeiras de crianças, nada de faltas de educação ou respeito aos outros. Eram pouco sossegadas, a verdade é essa. Eram meninas irrequietas, brincalhonas, que riam e falavam alto de excitação. Eram crianças mesmo, não eram aquelas crianças que parecem umas velhasa  fazerem queixinhas umas das outras, eram leves. Eu fiquei feliz de as ver novamente assim, e ao mesmo tempo tive um sentimento de crueldade, sim na verdade hoje olhando para trás foi uma crueldade separar as miúdas. Claro que cada uma acabou por encontrar outras amigas, claro que dentro das novas salas fizeram outras amigas, nas actividades extra também construíram relações mas isto podia ter sido evitado. Afinal continuam a gostar uma da outra, e sempre que podem brincam juntas. Na altura tomou-se a decisão mais fácil: enfiar cada uma numa sala diferente. E porque não deixa-las crescer e irem-se afastando pela opções na escola ou pela chegada de outras amigas mais a ver com cada uma delas? esta coisa de lhes ceifar logo ali a amizade foi precipitado e triste. Foi só para tornar a vida mais fácil a quem iria tomar conta delas? não compensou. Hoje não aceitaria isso, se tivesse sido hoje não teria permitido. É bom crescer com quem gostamos, ainda que dê muitos disparates,( nem era aquele tipo de amizade fechada, brincavam com outras meninas também, não era nenhuma amizade que prejudicasse alguma das duas), eram miúdas alegres, felizes e espontâneas. Ontem quando as vi na galhofa a combinarem com uma terceira amiga ligarem-se á noite em casa achei imensa graça. Eram elas novamente. Vi-as felizes, nem sempre as vejo assim, ás vezes parecem-me murchas. E ver crianças murchas dá-me um aperto no peito …

Bom dia


Maggie

2 comentários:

Vidas da Nossa Vida disse...

É a coisa que mais me irrita na educadora substituta do meu filho mais velho (a dele foi ter um bebé e volta em Março) é a castração, é não os deixar ser crianças e quando eles brincam, saltam, riem e fazem os disparates dos 5 anos ela castiga-os com bolas vermelhas. Estou mesmo irritada com a situação. É horrível e só mostra que quem está a tomar conta deles não está à altura! Compreendo lindamente o que dizes.

Maggie F. disse...

Não deixes. Eu permiti na altura mas hoje arrependo-me.
Beijinho