domingo, janeiro 17, 2016

a um mês do bebé chegar

Está tudo comprado e eu começo a acusar o cansaço, o peso e o stress. Agora começa a ser tudo mais complicado: o dormir (já não há posição agradável), os 14kgs que engordei e que todos dizem não ver e o stress de pensar como vai ser quando tiver que ir a correr para a maternidade. O ideal seria ter um dia agendado para provocar o parto porque isto de esperar e ver o que acontece não é para mim que não tenho rede de apoio e só penso onde vou deixar as miúdas. O meu médico diz que elas podem ir também e ficam á espera que nasça o irmão. Acho simpático e bonito mas não é praticável. Claro que se tiver que ir durante a semana elas irão para a escola, e se for ao fim de semana podem vir para a maternidade como ele diz, mas e se me rebentam as águas ou acordo ás 2 horas da manhã com contracções? vou acorda-las para irmos os quatro para a maternidade? 

Bom resto de domingo


Maggie

5 comentários:

Diana Machado disse...

Boa noite Maggie, já te sigo há algum tempo, tenho seguido atentamente a tua descrição dos acontecimentos e penso que até nós deste lado ansiamos por ver a carinha laroca que virá daí :) mas o que tenho mesmo para dizer é que tenho adorado ler-te! E sabe bem ouvir dos nosso seguidores que gostam do que nós partilhamos com eles não é? Um beijinho, e que seja um mês pacífico e como sempre, vai contando e quando for o grande dia estaremos cá todos para te dar os parabéns! Tens uma força de vontade que se percebe bem através do que escreves ;)
Que venha dai uma boa semana!

Rita_in_UK disse...

Maggie, acredito que na tua rede de amigos chegados e pais de amigas das tuas filhas algueem poderá ficar com eelas ou ir para aí se for a meio da noite. Começa já a pensar a quem queres e podes dar essa linda missão de ajudar o Manuel na sua vinda ao mundo 😉. Não há quem possa recusar! Bjinhs

ana disse...

Concordo com a Rita. Não tenho família próxima num raio de muitos km e habituei-me a ter nos amigos chegados (2 ou 3) pessoas com quem conto como se fossem meus irmãos/irmãs. Aliás, sou mais próxima dessas pessoas do que da minha própria família. Ainda hoje acontece eu telefonar a uma amiga para me socorrer com as miúdas, porque nem tudo (infelizmente) é previsível e na nossa vida recentemente aconteceram urgências muito tristes. Mesmo a minha empregada (que já está lá em casa há 10 anos!) me socorreu várias vezes, chegou a ir de táxi busca-las à escola e levá-las para casa dela quando tudo o resto falhou. Percebo que és uma pessoa assim um bocadinho orgulhosa e auto-suficiente :) mas uma rede de apoio é muito bom!

Maggie F. disse...

Não gosto nada de sentir que estou a incomodar os outros, ou a dar trabalho, sou assim!

Beijinho


Maggie

Ana Raquel disse...

Por acaso quando a segunda nasceu levamos a mais velha connosco (segunda feira e andava no jardim de infancia) porque iria ser provocado. Eu fui internada e o pai fez 200kms (100 p cada lado) p a deixar na avó. Quando chegou esteve pouco tempo sem a segunda (nasceu pouco tempo depois). Numa próxima (credo...estou mesmo a dizer isto) acho que trago alguém cá para casa (a minha mae por exemplo) para ser mais perto.

Tudo de bom