quarta-feira, março 09, 2016

escolher a escola para o 5º ano

Há muito tempo que tinha definido a escola para onde iriam. Uma escola perto da que frequentam de momento, já que terei que continuar a caminhar para lá por mais um ano. Logisticamente seria fácil. Não pensei muito. Fui visitar uma primeira vez com umas amigas e gostei. Voltei mais tarde para mostrar a escola á Micas e na altura fui com a minha irmã. Elas não adoraram mas também não se manifestaram, eu nesta visita já não gostei tanto como na primeira vez. Voltei uma ultima vez para uma reunião com a diretora da escola, e pronto foi o fim, não gostei nada! Não gostei da pessoa, não gostei do discurso e não gostei da filosofia da escola. Achei a escola velha e fechada, tal como a diretora. Achei-a demasiado cinzenta quando as crianças precisam é de cor e de alegria, eu não podia coloca-las ali. De repente um assunto arrumado na minha cabeça voltava a ficar em aberto. É como diz uma amiga: se vou pagar dou-me ao luxo de escolher, e coloco-as numa escola que me satisfaça completamente, coloca-las numa escola que me deixa reservas não é uma boa escolha, para isso colocava-as na escola publica onde temos acesso privilegiado. A escola a que pertencemos nunca foi opção.
Senti-me perdida, não tinha colocado a hipótese de não gostar da directora, e convencida de que as colocaria na escola inicialmente escolhida não as inscrevi em mais nenhuma, …
Já sem esperança, porque as inscrições já estão esgotadas há algum tempo ainda enviei um email para uma outra escola da qual tinha boas referencias mas que me ficava fora de mão. Acontece que depois de não gostar mesmo da escola que tinha pensada esta nova escola até já me parecia mais acessível, de repente até parecia que ficava perto. Marquei uma reunião com a diretora pedagógica do 2º e 3º ciclos e gostei, (já sabia que ia gostar porque tenho mães amigas que já inscreveram lá os filhos há meses e que me disseram maravilhas).
Eu fui lá hoje e gostei imenso. 
Nos últimos dias surgiram algumas vagas porque houve pais que pagaram a inscrição em várias escolas para assegurar um lugar e que depois optaram por outros estabelecimentos de ensino. Eu não podia deixar escapar esta vaga, ficou para a minha filha e eu estou felicíssima. A escola é muito boa e este é um assunto que fica definitivamente arrumado.
Convencida de que as teria na escola inicialmente escolhida, não as inscrevi em mais nenhuma, e foi um risco.
Ela vai com algumas amigas do 1º ciclo, e ali vai ser feliz.
E não há nada mais importante do que ser feliz!
(Diz a directora da escola que uma criança feliz aprende)

Até mais logo


Maggie

6 comentários:

TheNotSoGirlyGirl disse...

verdade!
é sempre dificil meter os miudos numa escola. nunca se sabe o que esperar, se eles se vao adaptar e gostar! mas o importante é que sejam felizes sem duvida!
beijinho

Anónimo disse...

Eu como mãe nunca tomo por garantido a felicidade das minhas filhas enquanto for eu a escolher a vida delas. Simplesmente pq já fui filha e sempre andei resignada em colégios de freiras enquanto via as minhas amigas da natação sempre felizes pq eram livres da opinião dos outros, sem vaidades e sem complexos de superioridade. É,eu achava-me a maior, mas hoje adulta sei que tinha complexos de superioridade e era infeliz.
Cada pessoa com a sua experiência mas cada vez mais acho que as pessoas q insistem com os filhos na escola privada nunca a frequentaram e peço desculpa se estou a ser injusta mas tenho a certeza q vc nunca frequentou pq parece-me vista deste lado desesperada por uma posição social respeitada

Maggie F. disse...

Para a anónima: está enganada, eu frequentei o ensino privado desde a creche até aos 13 anos, altura em que pedi aos meus pais para ir para a escola publica perto da minha casa. A minha irmã manteve-se no privado. As suas certezas sairam-lhe ao lado, já viu? Agora mais a sério: eu não estou desesperada por nenhuma posição social respeitada, a escolha da escola privada nada tem a ver com posição social, aliás parece-me até ridículo em 2016 o seu tipo de discurso. Enfim, lamento que tenha sido infeliz com as escolhas da sua mãe, já eu fui muito feliz nas escolas que frequentei. Lamento que não se saibam ouvir os desabafos, pensamentos e ideias sem fazer juízos de valor.

Deixo um beijinho

Maggie

Manuela disse...


Ter uma diretora que segue o princípio "uma criança feliz aprende", é sem dúvida uma mais valia! Mais do as paredes ou as instalações, são as pessoas que fazem uma instituição. E mais vale voltar atrás, quando ainda é possível, do que depois. Acho o discurso escola publica vs privada um tanto ou quanto inflamado. Tenho a sorte de a minha filha estar numa boa escola pública. Mas, lá está, estou dependente da "sorte" e se me tivesse calhado uma escola má? ou problemática? Sim, se pudesse teria a colocado numa escola privada. Sem dúvida nenhuma a esse respeito, apesar da sorte que tive. Beijinhos

Nany disse...

Gostei dessa directora. Percebe que as crianças são crianças, que precisam de espaço e tempo, e que só trablaho sem diversão não trás nada de bom.
Os meus andam na escola pública com tudo de bom e mau que isso tem.
A única escola privada que considerei em colocá-los era a Luis Madureira, mas pagar escola a 3 não é pêra doce e não temos essa possibilidade.
Escolas públicas e privadas são escolas. São as pessoas que lá estão que as fazem boas ou más.
Bjs

Rita disse...

Olá Maggie,
Deixo o meu nome para não achar que tenho medo de dizer a minha opinião como muitos anónimos fazem.
Não gosto da escola privada, ponto final. Por experiência própria.
Não por achar que as pessoas honestas e bondosas como me parecem as filhas da Maggie se tornem snobes mas simplesmente por que acho ridiculo pagar para ir para uma escola.
Uma das minhas filhas anda no privado outra no público. Posso dizer - lhe isto: não há diferença, mesmas notas, mesma felicidade, mesmo goto por ir á escola, mesmos bons amigos.
Se me disser na escola pública vesse de tudo, não posso dizer que sim. Vêem se pessoas mais pobres, mas não há problema em conviber com outras realidadesm para o ano a minha Carlota vai para o secundário, ela anda na privada e perguntei - lhe:
- Carlota queres ir para o publico?
Ela disse que sim, e, mais tarde veio para a minha cama confessar me porque. Disse - me que a irma lhe oarecia muito mais feliz e que os professores lhe davam notas no final do periodo muito superiores á que mercia e que sabia que no secundária se ia intensificar e ela nao gosta nada desse tipo de mentiras.
Depois disso metias as duas na minha cama sentadas (é o sitio onde se confessam quando fazem umas asneirinhas de criança) disse lhes as escolas onde iriam para o ano, a mais velha não só me disse que adorava como ligou para o pai (que está em paris) a contar que ia para a escola publica.
A mais nova que também vai para o quinto ano disse - me que se me metesse na escola privada algum dia me matava.
Não lhe estou a dar concelhos sobre ser mãe porque verdade seja dita é uma mãe maravilhosa, estou só a dar a opinião de outra mãe.

Bem, é tudo.
Um beijinho grande
Rita