quinta-feira, maio 19, 2016

as sugestões literárias


Neste novo livro de Daniel Sampaio encontramos algumas respostas para temas dos nossos dias. Algumas questões tratadas para as quais encontrará propostas de solução: - Como proceder perante a utilização excessiva dos computadores pelos mais novos. - O que se entende por alienação parental, guarda partilhada e responsabilidades parentais em divórcios litigiosos. - O que são pais tóxicos e como podem os filhos reagir. - O padrasto pode fazer de pai ou não? O livro diz que sim. - Por que razão está tão difícil a relação entre o professor e o aluno nas nossas escolas? Que poderemos melhorar? - Vale a pena ensinar "Os Lusíadas" como se faz agora? - Que atitude tomar perante os jovens que bebem em excesso? - Que fazer com as recordações do Natal da nossa infância? - Vale a pena acreditar na mentira do ranking das escolas? O autor diz que não. Se gosta de ler também aqui encontrará críticas a livros de ficção. Se prefere cinema leia também apreciações a filmes recentes. São textos curtos que não o deixarão indiferente.


Como saber quem gosta mesmo de nós? Como distinguir as pessoas que nos querem bem daquelas que apenas fingem gostar da nossa companhia, e que tanto podem ser os nossos companheiros, como familiares ou amigos? Como é que podemos perceber quem está genuinamente interessado no nosso bem-estar e felicidade? Quais os sinais a que devemos estar atentos para tirar essas dúvidas que tanto nos inquietam, mas que tendemos a varrer para debaixo do tapete? Como saber se uma relação de amor, de amizade, familiar ou de trabalho, nos faz bem ou se, pelo contrário, apenas nos desgasta e causa frustração? O que sentimos quando vivemos uma relação plena, gratificante, com verdadeiro sentido? Quais os efeitos dessa cumplicidade no nosso dia a dia? Então, porque nos deixamos cair tantas vezes em relações empobrecidas? Qual a influência que elas têm na nossa vida? Porque é que, por vezes, aceitamos migalhas quando podemos – e merecemos – ter muito mais? Mudar o outro valerá a pena? Não será uma utopia? "Pessoas Que Nos Fazem Felizes" traz-nos uma perspectiva totalmente nova sobre as relações e sobre o papel dos outros no nosso equilíbrio, aprofundando a natureza das escolhas que fazemos na nossa esfera mais íntima e pessoal.


Do amor [im]perfeito. Do amor violento, arrebatado, que quase rasga a pele. Do amor que sufoca. E do amor que dá vontade de saltar à corda e de voar sobre as árvores. Do amor da mãe, do pai. Do amor dela por ele e dele por ela: esse, tão cheio de paixão, de urgência e de tudo. Do amor pelo outro, mas também do amor-próprio — que, às vezes, dá ainda mais trabalho do que qualquer outro. Porque são tantas as histórias que o amor pode contar. E tantas as que se vivem por [des]amor.


Na fnac.


Maggie

Sem comentários: