sexta-feira, janeiro 27, 2017

não sou pelo ignorar os filhos ou fingir que não existem


e partir numas férias românticas sem eles, assim como se não existissem (embora me pareça o mais fácil e por isso há tantas pessoas a faze-lo). Se existem, é simpático leva-los connosco.

Sou antes a favor dos casais arranjarem umas horas sossegados para conversarem, rirem e não se perderem um do outro. O que no meio dos dias cheios que todos temos, é fácil. 
(eu estou à espera do meu almoço "a dois " deste mês …).


Até mais logo



Maggie

4 comentários:

AMOR XXS disse...

Até agora temos tomado a mesma atitude, já para não falar que para nós férias são em família. Como tal, ele vem atrás por muito cansativo que seja. Viajamos e ele veio e foi muito bom! Ainda o acho muito pequeno para as avós o aturarem, apesar de saber que elas não se importam nadinha. Vai da consciência de cada um. Ter filhos dá muito trabalho e quem os quis que os ature! LOL.
Mas tento não ser 8 nem 80, acho bem as escapadinhas a dois no seu devido tempo e em casos pontuais. Momentos a dois também são precisos desde que não se esqueçam que os filhos mudam tudo, para melhor, diria. Não percebo quem continua a querer o mesmo estilo de vida como se eles não existissem.

ana disse...

Não concordo mesmo nada contigo desta vez. Deixar os filhos entregues a quem gosta deles e - mais importante - de quem eles gostam e partir para uns dias de férias em casal não é ignorar os filhos ou fazer de conta que eles não existem. É uma opção consciente e partilhada, em que ambas as partes ficam a ganhar: os filhos porque estão felizes com a(s) pessoa(s) a quem os deixamos, os pais porque têm um tempo a sós para fazer coisas que as crianças não apreciariam.
Cada família tem a sua dinâmica e não julgo quem não concebe férias sem os filhos, mas também não aceito que seja rotulado de egoísmo pensar de modo diferente.
Felizmente as minhas filhas têm uma avó com quem têm uma relação fortíssima e quando ficam sozinhas com ela (por necessidade ou por escolha) é uma festa para todos. Gostam de ser mimadas, de terem as rotinas que as três criaram, de estarem numa casa diferente - estes tempos vão ficar na memória delas para toda a vida e têm uma sorte enorme que seja assim. Às vezes vão para lá porque os pais têm de trabalhar, outras vezes porque vamos passear os dois, não necessariamente em férias românticas, mas com programas que não as atraem. Isso não invalida que passemos ótimos momentos em família, e não é só uma vez por ano, é no dia-a-dia.

Rita_in_UK disse...

Uma vez por ano, certinho, no nosso aniversário de casamento, sempre que nos seja permitido, se Deus quiser. Este ano vamos aos Açores. E eles que não se queixem porque ela vai a NYC na Páscoa comigo e ainda temos as férias de Verão a 4 num cruzeiro aos Fiordes. Sabe-nos muito bem... Não é ignorá-los, é ter tempo para nós... 4 dias só os dois não é um almoço 😉. bjinhs

mumdream disse...

Confesso que sou daquelas que pelo menos uma vez por ano tiramos um fim-de-semana só para os dois. Os meus filhos, que não serão diferentes dos outros, exigem muito de nós e por vezes eu própria sinto mesmo necessidade de estar sozinha, nem que seja para me sentar no sofá e ver um filme... Já férias e viagens longas, conseguia fazer quando eram bébés, agora não, porque quero muito mostrar-lhes o mundo, e não conseguimos viajar sem a companhia deles ;)