domingo, fevereiro 26, 2017

A quem serve a guarda partilhada dos filhos?

Pois a quem serve? ás crianças não é de certeza. 
Serve aos pais que cansados de serem pais a tempo inteiro preferem ser pais a meio tempo, assim 15 dias com filho e 15 dias sem filho fica mais levezinho. 
Serve aos pais que após as separações não gostam muito de dar uma pensão aos filhos, aqueles que acham que a pensão que pagam serve para os luxos do outro pai/mãe. 
Serve para os pais que tendo sempre proporcionado uma vida confortável aos filhos acham agora que 250€ por cada filho é demais; aqueles que acham que o ensino publico serve muito bem, quando até à separação pagavam o colégio particular sem dizer água vai nem água vem; 
Serve para aqueles pais que acham que o filho já está crescidinho e pode passar a ir ao Centro de Saúde, quando sempre lhe proporcionou pediatra particular. 
Serve para aqueles pais que nunca foram pais e que têm agora a oportunidade de o ser e esforçam-se por sair com as suas crias de casa, coisa que nunca fizeram até à separação, isto de aturar os miúdos em casa ao fim de semana é penoso! E então descobrem os museus, as peças de teatro, e tudo o que são actividades fantásticas para crianças. 
Serve para a igualdade do género pai e mãe, para os egoismos, vaidades e tudo o que são "raivinhas acumuladas durante anos", serve de consolo para uns, e de liberdade para outros. Serve até de vingança. Serve para tudo e para todos menos para os filhos. 
Serve para os pais que, cansados de serem pais a tempo inteiro vêm agora a oportunidade de voltar"a ser solteiros", voltar a ter tempo livre, voltar a sair à noite coisa que deixaram de fazer quando casaram e que gostavam e pasme-se, continuam a gostar, … só não se percebe porque deixaram de sair á noite, se gostavam, isto não percebo mesmo.
Serve aos pais que aproveitam os 15 dias sem filhos para pôr a casa em ordem, para passar as pilhas de roupa, para ir arranjar as unhas e o cabelo, para ir ver a bola e beber umas cervejas com os amigos em paz e descanso, e assim quando as crianças chegam o tempo é todo dedicado a elas. E é aqui que a coisa não funciona. Para as crianças, esta coisa dos 15 dias em casa da mãe e os outros 15 dias em casa do pai cria um ambiente sempre em festa que não é real. (nem falo da instabilidade que isto causa na vida diária da criança) Nunca há problemas porque o pai/mãe já não gritam como antes porque andam mais descansados, há sempre saídas ao fim de semana porque aturar filhos fechados em casa o tempo custa mais a passar, há muito mais dias de férias giras e divertidas do que havia antes, há dias e horas de atenção aos filhos que toca o exagero… e ninguém vive sempre em festa. Bom, estas crianças vivem!

Também serve aos avós, (aqueles que raramente punham a vista em cima dos netos), que passam a ve-los mais vezes porque os pais passam a leva-los lá e/ou deixa-los lá com mais frequência, assim torna-se mais fácil e matam-se dois coelhos de uma só vez: os avós fazem o jantar, vêm os netos e o pai/mãe fica mais descansado, menos um jantar para fazer ufa!

Ahhh e também serve ao patronato, que durante metade do mês tem pais e mães a fazer mais horas no trabalho, coisa sempre muito bem vista neste país.

Isto da moda da guarda partilhada serve a todos menos aos filhos, mas isso é que menos interessa a estes novos pais!

Até mais logo


Maggie

Sem comentários: