terça-feira, março 28, 2017

ainda do post anterior, aquele da gritaria


Não acredito em mães que não gritam, em mães que apesar do caos mantém a serenidade, pior, tenho medo de mães ou casas onde nunca se instala o caos. 
O que escondem? o que guardam? vivem a calmantes? ou raramente são Mães? 
Hummmmmmmmm e pior, arranjam quem acredita que é possível ser mãe sem se chatear, sem se cansar, gerando frustrações e stresses. Podemos e devemos controlar-nos mas nem sempre é possível, ter filhos é bom mas cansa e desgasta, não se deixem enganar.

(fica uma foto de ontem á noite, só para mostrar que aqui grita-se mas também se mima, não se assustem)

Beijinho


Maggie

3 comentários:

VerdezOlhos disse...

TUDO faz parte, o preocupante é quando falta alguma coisa. Beijinhos :) obrigada pela partilha e parabéns pela coragem da genuinidade

ana disse...

Eu conheço uma mãe assim, que criou os dois filhos (agora jovens adultos) sem um grito nem uma palmada - não, uma vez deu um grito e os filhos ficaram muito espantados a olhar para ela, como se ela tivesse sido trocada por um extraterrestre. Não é nenhuma super-mulher, é uma mulher muito doce, educada noutra cultura (é americana), com um feitio muito particular. Gosto muito dela por ser tão diferente de mim e entendemo-nos perfeitamente, com as nossas diferenças todas. Portanto, há mães assim, são é poucas!

Maria do Mundo disse...

Eu li há uns dias um texto do Eduardo Sá que me fez sentir normal...eu grito, oh se grito de manhã...