sábado, março 18, 2017

do saber envelhecer

(foto do meu instagram)

Sento-me ás 15:00 no cabeleireiro, vou para pintar o cabelo e deixa-lo esticado, são 2 horas sem filhos, são 2 horas para mim, para sossegar, para descansar. A Maria vai colocando a tinta no meu cabelo enquanto fala com uma cliente que espera a sua vez. Falam de uma D. Carolina, senhora na casa dos 60 anos à beira de uma depressão (acham elas), porque não aceita que o tempo passa e deixa marcas. Está velha e não vive bem com isso. Lembro-me da minha mãe, também se queixava do envelhecimento, dizia que depois dos 60 anos era um choque, (faleceu aos 62 anos). A minha mãe também "sofria"com o envelhecimento, também se queixava muito. Eu troco umas impressões com a Maria, passamos as duas dos 40 anos, eu faço os 42 em Junho e a Maria já os tem. É fácil em teoria dizer que sim, que sabemos que vamos envelhecer, que temos que nos habituar à ideia, que a vida é mesmo assim, mas claro, ainda não chegámos aos 60 anos. Acredito que seja duro. Despeço-me da doce Maria e venho para casa com a D. Carolina na cabeça. Chego a casa e continuo agarrada aquela conversa. Lembro-me que tenho rugas nos olhos e ao pé da boca, vejo que tenho a pele com mais manchas, vejo que o peso se mantém na mesma (estou pesada), mas o que me incomoda mesmo á o ar pesado, a cara carregada mesmo quando me sinto muito feliz. Fiquei assim quando fiquei sem a minha mãe, sinto que envelheci uns 10 anos. Foi se a frescura da juventude, foram-se as preocupações fúteis, fiquei eu com o peso do choque e a dor que ficou colada a mim e que se nota quando olho ao espelho. Está lá nas fotos a lembrar-me que isto do envelhecer também tem a ver com a vida que vamos tendo. Com as dificuldades, com os sustos que apanhamos, com as opções que não fazemos, com a vida que nos vai calhando todos os dias. Ainda não chegámos aos 60, eu e a Maria, mas somos prudentes e ficamos solidárias com a dor da D. Carolina. É preciso saber envelhecer e aceitar isso, eu e Maria concordámos que a psicologia podia dar aqui uma ajuda mas nem se ouve falar disto. Os Centros de Saúde não encaminham para psicologia casos de Senhoras como a D. Carolina. Há psicóloga no Centro de Saúde para as consultas do aborto mas para ajudar na aceitação do envelhecimento, não. É pena, é uma falha!

Boa noite


Maggie

2 comentários:

J* disse...

Também nacho que é uma pena! A psicologia podia ser forma de encarar o envelhecimento de uma forma mais leve. Sem levar a "depressões" como a D. Carolina.
Envelhecer toca a todos. Ian torna-se mais visível mais cedo que outros devido a imensos fatores, mas a verdade é que passamos todos pelo mesmo.
https://jusajublog.blogspot.pt/?m=1

marina maia disse...

Tambem acho, sendo que a minha medica esta a pensar em encaminhar-me para psicologia posso aproveitar e falar sobre o tema, boa ideia.
Sobre o cabelo, faço normalmente madeixas porque encobre os brancos e não faz com que o cabelo fique mais branco, mas leio um blog não sei se conheces a Marta Moncacha do blog DOLCE FAIRE NIENTE, um blog que adoro e sigo há muitos anos, ele teve ha pouco tempo o 4 filho, se não conheces vai ler que vale muito a pena, ela agora criou um outro espaço que se chama acho que mulheres de prata, mulheres que estao neste momento a aceitar os seus cabelos brancos apesar da idade, assim como ela com 42. Eu já decidi não fazer mais madeixas por agora, talvez isso nos ajude a aceitar o envelhecimento...