terça-feira, setembro 12, 2017

já aqui disse que sou fã de Maria Filomena Mónica

(reportagem de há 3 anos)

Gosto do ar desprendido, da mãe moderna e letrada que parece que pouco reparou no crescimento da filha, e do filho.
Gosto da mulher que não faz questão de passar por boa mãe, gosto da distancia que tem da vida da filha. Acho-a forte, determinada, gosto da maneira quase arrogante cheia de certezas, muitas revelaram-se mesmo muito certeiras. Gosto do ar de outro tempo e gosto do ar de quem tudo sabe. Gosto de mulheres cheias de certezas. Parece uma pedra, forte e inabalável. Acredito que seja mais doce na sua vida privada mas o que deixa transparecer é frieza. Gosto da capa que põe, nunca mostra os sentimentos. A filha, mais sensível, parece olhar para ela como se continuasse com 5 anos à espera de um carinho da mãe. Como se não acreditasse na mãe que lhe calhou na rifa. Talvez por ser uma mãe muito diferente da que lhe calhou em sorte. Não parece simpática mas deixo-me levar pela mulher encantadora que ainda é, apesar da idade. 
Um dia, quando chegar à idade desta senhora quero ter metade das certezas!

Isto para dizer que começo amanhã a ler o seu "Bilhete de Identidade"


Boa noite



Maggie

5 comentários:

CS disse...

Sempre gostei de todas as entrevistas que deu na tv. Nunca li nada dela.

marina maia disse...

Tenho o livro e já li, partilho contigo o gosto por tudo o que ela escreve. Adoro!

Anónimo disse...

ahhhhh, agora tudo faz sentido!

Anónimo disse...

Gosta de más mães, faz sentido lol

Maggie F. disse...

ui uma mãe do ruca por aqui, ahahaha livra!