segunda-feira, fevereiro 19, 2018

na Fnac



Da criadora de «Às 9 no meu Blog» e autora do bestseller «Às 9 no Meu Livro». «#descomplicar É o verbo-luz. O que tem vários atalhos num caminho onde aprendes a desatar nós. É a ponta do novelo e o lugar onde todos podemos começar a viver melhor e a ser mais felizes. Este é um dos 11 verbos que te vão permitir transformar a tua vida. Neste livro, escrito com o coração, vais encontrar textos de inspiração, motivação, reflexão, e um mapa com vários pontos cardeais que funcionam como um guia que ajuda a encontrar o caminho e acompanha quem o vai ler, a cada passo do percurso. Com exercícios, meditações, perguntas, este livro vai ajudar-te a traçar um novo caminho, a arriscar um novo início e a desligar o complicómetro. Porque nas coisas, nos dias, nas pessoas e nas voltas da vida, descomplica. Desejo que quando abrires os braços para o novo ciclo que hoje começa, tenhas sempre presente a bússola maior que vive em ti: a do teu coração. Muita força, muito foco e muita fé.»



Depois de o primeiro volume de "Histórias de Adormecer Para Raparigas Rebeldes" ter embalado mais de um milhão de pessoas, as autoras FrancescaCavallo e Elena Favilli dão-nos a conhecer cem novas histórias de mulheres extraordinárias cujas vidas imprimiram no mundo uma marca de coragem, iniciativa e irreverência. Cada biografia é um pequeno conto inspirador que nos faz sonhar com um infinito universo de possibilidades. Entre escritoras, astronautas, fotógrafas, atrizes, políticas, cantoras, professoras, ativistas, revolucionárias, rainhas, enfermeiras, acrobatas... estão mulheres tão diferentes como Agatha Christie, Yeonmi Park, Nefertiti, J. K. Rowling, Beatrix Potter ou Simone Veil. Vidas que renovam a nossa esperança num mundo mais justo, igualitário e belo. Histórias que inspiram a sonhar mais longe.


Quem disse que não ficou nem um soldado para trás? Quantos soldados precisamos ainda de resgatar dessa guerra que não nos sai do coração e do espírito? Dez de Novembro de 1975: ao cair da noite, as últimas autoridades mili¬tares portuguesas abandonam Angola no paquete Niassa, horas antes da independência. O atirador especial Afonso está nas praias de Porto Am¬boim a vigiar a chegada de centenas de cubanos e não embarca no navio português que deixa para trás uma presença de quase cinco séculos. Afonso sobreviverá à guerra civil escondido durante onze anos. «Com uma agilidade narrativa muito particular, neste livro, João Céu e Silva tem a capacidade de criar remorso e pena, e a melancolia profunda que sempre acompanham o fim das eras. De entre os mais recentes livros sobre a Guerra Colonial, Adeus, África tornou-se indispensável.» Lídia Jorge «Ter a mão do diabo – é isso que faz de João Céu e Silva um narrador que desperta toda a nossa curiosidade de leitores. E essa terrível «mão do diabo» anda à solta pelas páginas de Adeus, África como a verdadeira bússola daquele mapa e daqueles acontecimentos.» Francisco José Viegas «João Céu e Silva não fez a guerra. Mas falou exaustivamente com quem a fez. Talvez por isso, escreveu um romance fortíssimo, inesperado, indagador e perturbante sobre quem a viveu e a sofreu na pele como a lepra e a trouxe na memória como uma chaga. Quando li 2Adeus, África – A História do Soldado Esquecido", pensei imediatamente que podia dar um grande filme.» António Pedro-Vasconcelos «Um livro que destapa verdades escondidas, e sob a capa da ficção revela quão funda é a cicatriz deixada pela Guerra Colonial. Uma polifonia de vozes, dos vivos e dos mortos, a contarem histórias de um tempo de sombras, que não deixam ninguém indiferente.» Luís Caetano



Boa semana


Maggie

1 comentário:

marta henriques disse...

Olá maggie!
Gostei imenso das sugestões! Quando for á fnac vou procurar por eles :)

pimentamaisdoce.blogspot.pt <3