quinta-feira, março 01, 2018

isto de envelhecer


Dizia uma amiga um dia destes, que leu num estudo que cada filho envelhece uma mulher 11 anos. Estudos, estudos, tantos estudos. Hoje em dia estuda-se tudo e na realidade isso traduz-se em nada. Isto faz algum sentido? dizer que uma mulher envelhece 11 anos por cada filho que tem? então e as que não têm filhos, ficam novas para sempre? Haja paciência para tanto estudo e patetice.

Hoje de manhã, sentada no cabeleireiro enquanto esperava que a tinta repousasse no meu cabelo, olhei-me ao espelho. Lembrei-me deste estudo e olhei para mim com olhos de ver. Estou mais velha sim, não é mais uma ruga ou mais uma mancha, é no aspeto geral. O rosto pesado e carregado. Não acho que sejam os filhos que me envelhecem, o que envelhece qualquer um é a vida, são as dores e as preocupações que temos. 
Envelheci nestes últimos dois anos e não foi por ter nascido o Manuel, foi por ter perdido a minha mãe e por viver preocupada com a saúde do meu pai. Isto quando se tem valores, (um dia destes alguém me disse que eu tenho valores, acho nunca tinha pensado nisto de ter valores), e se é uma pessoa consciente e responsável é assim: não viro as costas aos meus, por mais cansativo que seja, por mais desgastante que ainda possa vir a ser. Eu sei que o meu pai não vai viver muito mais tempo e por isso tudo o que eu puder fazer para que ele se sinta bem, acompanhado e ajudado, eu vou fazer. Não é porque ele fez o que pode por mim, é por mim que o faço. Sinto que é uma obrigação minha como filha não lhe faltar. E não falto. 
Um dia, quando ele já cá não estiver terei tempo para descansar, terei tempo para avançar com a minha vida, mas até lá, cá estarei todos os dias porque sei que sou precisa. E isto envelhece, por isso olho-me ao espelho e vejo-me além de mais velha, tristonha. 
Sou uma pessoa alegre e bem disposta mas carrego as dores de quem já viveu dias difíceis, e isso nota-se.

Boa tarde


Maggie

3 comentários:

Maria do Mundo disse...

Isto de nos preocuparmos com aqueles que amamos ou que de alguma forma fazem parte da nossa vida envelhece. Cansa-nos. Ás vezes são os filhos que nos trazem preocupações e que também nos envelhecem. Mas quem é assim não vira as costas, atira-se para a frente com tudo o que isso implica. Não te irás arrepender. Viverás bem contigo.

marina maia disse...

Não é a velhice que te apanha são as coisas que nos acontecem com as pessoas que amamos que nos vão matando a felicidade aos poucos, e sem querer tornamo-nos mais tristes, somos alegres aos olhos dos outros, sentimo-nos alegres mas carregamos todas essas tristezas que nos transformaram noutras pessoas, dai dizermos que é da idade. Mas conheço algumas pessoas que parecem ser imunes, passam por sofrimentos na vida que a mim me derrubariam, mas vejo-as pouco tempo depois sem aquela névoa da tristeza que eu tenho, não sei talvez seja eu também diferente...Neste momento a minha prioridade é também a minha mãe...

ana disse...

Às vezes as dores vêm muito de lá de trás, da infância, outras vezes somam-se devagarinho aos anos. Há momentos muito complicados de preocupação, bem o sei que estou a atravessar um deles. Mas no fim de tudo estamos cá para ser pessoas de afetos e isso tem custos. Importante é a balança não pesar para o lado do pessimismo e da perda...pelo menos não permanentemente. Força aí e continua a mostrar-nos o lado B(onito) da vida! (mas não escondas o outro, claro).