segunda-feira, abril 30, 2018

nisto da maternidade cada uma sabe de si



Se houve coisa que sempre me guiou nisto do ser mãe é o facto de estar informada mas não estar com ideias feitas. Conforme a vida vai seguindo eu assim vou agindo, sempre a pensar na família e em mim. 
Lamento mas cá em casa o bebé não vem primeiro, esse lugar é o da minha sanidade mental. Que isto é tudo muito bonito quando os mandamos para casa dos avós e madrinhas e até lá ficam a dormir, voltam almoçados e de banhos tomados, fantástico. (Assim com a cabeça descansada podemos até  dar-nos ao luxo de os deixar berrar). Infelizmente não é o meu caso: os meus filhos estão sempre comigo, logo eu preciso de estar bem e a minha sanidade mental tem que se manter em níveis razoaveis. Isto minhas amigas, para vos dizer que a seguir à amamentação "sofro" agora com os olhares reprovadores porque o menino está entretido a ver videos infantis no telemóvel, pois tem de ser! Se para eu poder almoçar quieta e descansada ele tem que estar a ver videos, é videos que vê. Lamento imenso o choque e os olhares reprovadores mas eu estou primeiro, porque se me der um fanico não são os outros que vão olhar pelas minhas crianças pois não? então ide cada um à sua vida, aproveitem os vossos filhos como entenderem que eu aproveito os meus. Sem dramas!

Depois da amamentação este é o fundamentalismo que se segue. Livra.


Boa semana


Maggie

3 comentários:

VerdezOlhos disse...

Eu admiro muito essa atitude de ser a mãe em primeiro lugar e não o bebé. Afinal, para a mãe poder dar algo ao bebé, tem de estar bem, caso contrário só dará porcaria ou não!? Não me faz sentido mas também não sei o que é ser mãe, por isso admiro muito as mães que não se esquecem que são mulheres /gente antes de tudo o resto. Nada disto quer dizer que se descure o que quer que seja da criança mas pronto, o que os olhares reprovadores pensam já não é isso -.- deixa-los estar.

Anónimo disse...

Ah pois é! Estou nessa fase. E considerando que à pala dos vídeos infantis a criança já aprendeu imensas coisas.... nem quero saber..... por eles e por nós. :)

ana disse...

Haja equilíbrio...o que eu sei que tu tens, não duvido disso, mas nem todos, nem todos... Não há problema nenhum em ter a criança entretida com o telemóvel ou o tablet um bocado para almoçar ou fazer alguma coisa que se tem mesmo de fazer, mas quantos pais confiam as suas crianças a esta ama eletrónica horas a fio, dias a fio? E a quantidade absurda de famílias que permitem telemóveis à mesa de jantar (e falo de crianças crescidas e adolescentes)? E quando, num parque, os adultos nem olham para as crianças nem interagem com elas porque estão obcecados com os ecrãs?
As crianças aprendem muitas coisas com os videos e os jogos eletrónicos, mas deixam de aprender outras tantas. Sobretudo, perdem capacidade de concentração e de assimilação de informação escrita, por ex. Empobrecem seu o mundo interior, porque veem, não imaginam.
Portanto, tablets e afins, claro que sim, mas com moderação.