quinta-feira, março 21, 2019

das minhas pessoas, daquelas que não estando sempre em contacto são tão próximas ...

Ontem uma amiga mandou-me uma mensagem a pedir desculpa, não sabia que o meu pai tinha falecido. Percebeu numa mensagem do facebook por causa do Dia do Pai. Desfazia-se em desculpas que se calhar a mensagem passou lhe ao lado, que andou ocupada e que lhe deve ter escapado, ... mentira. Não escapou, fui eu que não lhe disse nada. Adiei, fui adiando. Escolhi muito bem as pessoas a quem partilhei a mensagem da morte do meu pai e deixei-a de fora porque quis. Queria dizer-lhe depois mas o tempo foi passando e acabei por não dizer. Pedi-lhe desculpa mas a verdade é que apenas comuniquei a quem sabia que apenas me ia dar uma palavra de conforto. Só uma palavra, aquela que se diz sempre, seja sentida ou não. Não estava preparada para falar muito. Eu sabia que ela não ia apenas dizer-me: sinto muito! Eu sabia que não queria falar nisto e por isso deixei-a de fora, limitei-me aos "sinto muito"e bastou. Expliquei-lhe e ela entendeu. Pode parecer estranho mas para mim há coisas que são intimas, que são só nossas e que um sinto muito é quanto basta naquela hora. Os abraços dados com sentimento são poucos e por isso deixei o abraço dela para o sentir pessoalmente. Há pessoas que entram na nossa vida para ficar, pessoas com quem podemos de facto contar por isso não a podia incluir numa mensagem básica e informativa. Quero abraça-la com força, quero chorar muito e falar ainda mais. Desculpa querida A. mas não consegui mesmo dizer-te nada, és especial demais para mim para não sentir a força do teu abraço. Está adiado mas não está esquecido, preciso muito dele.

Obrigada Amiga por estares desse lado à minha espera


Maggie

1 comentário:

Maria do Mundo disse...

Há pessoas tão especiais, tão especiais que só mesmo com elas queremos de partilhar o que há de mais nosso.